Deputado ajuda a aprovar proposta que acaba com direitos previdenciários e trabalhistas

O deputado federal Benes Leocádio (Republicanos) votou, mais uma vez, pela retirada de direitos dos trabalhadores. Agora, o parlamentar, ao lado de outros 3 deputados do Rio Grande do Norte, ajudou a aprovar a Medida Provisória 1045.

A proposta vem sendo chamada de “MP da Escravidão” por precarizar ainda mais as relações de trabalho. A medida acaba com as férias remuneradas (o trabalhador terá direito a um recesso de 30 dias sem pagamento), com o 13º salário, Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Ela também reduz o pagamento de horas extras e aumenta a jornada de trabalho.

A “MP da Escravidão” cria inclusive o trabalho sem carteira assinada. Na prática, os trabalhadores não terão direitos trabalhistas nem previdenciários. A medida dificulta a fiscalização trabalhista, restringe o acesso do cidadão à Justiça e até impede que o juiz anule cláusulas de acordos extrajudiciais celebrados entre patrões e empegados, mesmo que sejam muito danosos aos trabalhadores.

Benes vem votando em propostas governistas que retiram direitos do povo e que permitem ao governo se desfazer do patrimônio nacional (privatização dos Correios e Eletrobrás).

Analistas políticos acreditavam que ao anunciar sua pré-candidatura ao Governo do Estado, Benes mudaria de postura e de discurso. Está ocorrendo justamente o contrário. Seu voto favorável à MP da Escravidão é uma demonstração disso.

Além de Benes, também foram favoráveis à “MP da Escravidão”

João Maia (PL), Carla Dickson (PROS) e General Girão (PSL). A MP foi apovada com 304 votos favoráveis. Do Rio Grande doNorte,votaram contra os deputados Natália Bonavides (PT) e Rafael Motta (PSB).

 

Veja principais mudanças propostas na MP 1045:

# Cria uma modalidade de trabalho sem direito a férias, 13º salário e FGTS;

# Cria outra modalidade de trabalho, sem carteira assinada (Requip) e sem direitos trabalhistas e previdenciários; trabalhador recebe uma bolsa e vale-transporte;

# Cria programa de incentivo ao primeiro emprego (Priore) para jovens e de estímulo à contratação de maiores de 55 anos desempregados há mais de 12 meses; empregado recebe um bônus no salário, mas seu FGTS é menor;

# Reduz o pagamento de horas extras para algumas categorias profissionais, como bancários, jornalistas e operadores de telemarketing;

# Aumenta o limite da jornada de trabalho de mineiros restringe o acesso à Justiça gratuita em geral

# Proíbe juízes de anular pontos de acordos extrajudiciais firmados entre empresas e empregados;

# Dificulta a fiscalização trabalhista, inclusive para casos de trabalho análogo ao escravo.

Nosso e-mail: redacaobocadanoite@gmail.com. 

 

 

 
 
 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

De Volta ao Topo